Sinistros

Siga as nossas recomendações

Como proceder em caso de sinistro ?

Se tiver um acidente, o que fazer?
1. A primeira coisa a ser feita é recolher todos os elementos que identifiquem os intervenientes, nomeadamente;
2. Recolher todos os elementos de identificação do seguro, nomeadamente o nome da seguradora, número da apólice e respectivo vencimento;
3. Identificar as testemunhas oculares;
4. Se possível, procurar acordo através do preenchimento, pelos dois condutores, da Declaração Amigável de Acidente Automóvel (D.A.A.A.), que deverá ser assinada por ambos. Cada condutor deve ficar com um exemplar para entregar na sua Seguradora;
5. No caso de impossibilidade de assinatura da declaração amigável, se houver divergências entre os condutores sobre a responsabilidade do acidente, ou sempre que haja lesões corporais, deve solicitar-se a presença das autoridades policiais.
6. Participar o acidente à Seguradora. Existe um prazo de 8 (oito) dias para participar um acidente, prazo esse que deve ser cumprido.E se um dos condutores não tiver seguro?
Se algum dos condutores não exibir documentos comprovativos do contrato de seguro, os outros intervenientes no acidente devem, de imediato, solicitar a presença das autoridades policiais, sem prejuízo de serem recolhidos os dados atrás referidos, em particular a matrícula e a identificação do condutor, e pedir informações ao Departamento de Atendimento e Comunicação do ISP sobre a forma de localizar a Seguradora a da matrícula, ou de recorrer ao Fundo de Garantia Automóvel (F.G.A.), caso não exista seguro válido.
E se for para o estrangeiro?
O automobilista deve verificar se tem a sua Carta Verde válida para todo o período da viagem para os países que vai visitar. O contrato de seguro obrigatório é valido para todos os países indicados na Carta Verde.
No entanto, para que, saindo de Portugal, mantenha as coberturas facultativas, como por exemplo os danos próprios, é necessário na maior parte dos casos, pedir antecipadamente à Seguradora uma extensão territorial, pagando eventualmente uma quantia suplementar.

Como preencher uma Declaração Amigável

Passos para preencher uma Declaração Amigável de Acidente Automóvel:

A ocorrência de um sinistro deve dar lugar ao preenchimento da D.A.A.A., se os condutores estiverem de acordo quanto às circunstâncias em que ocorreu, quer envolva dois ou mais veículos. A D.A.A.A. não implica o reconhecimento de responsabilidade no acidente e facilita a regularização do sinistro. Após terem preenchido e assinado, em conjunto, o respectivo impresso, cada interveniente fica com uma das folhas. Posteriormente, cada um deve preencher o verso da respectiva folha, a Participação de Sinistro, e entregá-la à sua seguradora (descarregue aqui).
Parte Frontal
Preencha em 15 passos
1. Data do Acidente: Indique a data e hora do acidente.
2. Localização: Indique o país e o local. Este de forma detalhada, pois qualquer inexactidão pode influenciar a atribuição de responsabilidades.
3. Feridos: Indique a existência de feridos, ainda que ligeiros.
4. Danos Materiais: Indique a existência de danos noutros veículos ou objectos. É necessário conhecer os proprietários destes, quando existem.
5. Testemunhas: Indique os nomes, moradas e telefones das testemunhas se existirem. Por vezes são essenciais para o apuramento de responsabilidades pelo que todas as indicações (moradas, telefones de contacto, se são ou não passageiros) devem ser fornecidas. Escrever “sem testemunhas” quando não existirem.
6. Segurado/Tomador de Seguro: Indique qual o segurado/tomador de seguro (ver documento de seguro), e respectivos contactos (morada, telefone ou e-mail e número de contribuinte).
7. Veiculo: Indique dados do veículo (marca/modelo, nº de matrícula e país de matrícula), bem como do reboque se existir.
8. Companhia de Seguros: É indispensável a indicação das seguradoras, número de apólice Carta Verde e respectiva validade, bem como dos dados e contactos da agência, representante ou corretor. Indique também se os danos materiais estão cobertos pela apólice.
9. Condutor: É necessário, para além do nome e morada, número da carta de condução para se verificar a habilitação à condução do tipo de veículo. Indicar um telefone ou e-mail para contacto durante o dia, em caso de necessidade.
10. Ponto de embate inicial: É fundamental a indicação do ponto de embate inicial, pois os danos apresentados após a imobilização do veículo podem não ser conclusivos para apuramento da responsabilidade.
11. Danos Vísiveis: Assinalar os danos atribuíveis ao sinistro, já que os veículos poderão ter outros danos não provocados pelo acidente que motivou esta D.A.A.A.
12. Circunstâncias: Devem ser assinalados todos os quadros aplicáveis à descrição do acidente (1 a 17).
13. Esquema do Acidente: A desenhar de forma a que, complementado pelas circunstâncias permita concluir como aconteceu o acidente e definir responsabilidades. Deverão constar alguns elementos essenciais tais como:
– Veículos intervenientes e danificados – Outros objectos danificados – Sentido da marcha dos veículos – Largura dos veículos – Largura da via – Traços contínuos ou tracejados/descontínuos – Sinalização existente – Metros de travagem – Local exacto onde se deu o acidente – Local onde o(s) veículo(s) ficou(ficaram) imobilizado(s)
14. Observações: Qualquer indicação que considerar pertinente.
15. Assinatura dos condutores: Devem ser as que constam do seu B.I. e deverão corresponder igualmente à que consta das propostas de seguro/alteração, se for o Tomador ou Segurado.

O verso da Declaração Amigável, é a Participação de Sinistro.
Importa preenchê-la da forma mais completa e precisa possível, dando especial atenção ao campo nº 3 DESCRIÇÃO PORMENORIZADA DO ACIDENTE e nº 9 FERIDOS.
É indispensável a assinatura do Tomador que deverá corresponder à que consta da proposta de seguro/alteração.
Caso seja uma empresa é necessária a aposição do respectivo carimbo.
Download Declaração Amigável de Acidente Automóvel